Erro de pontuação

em 29 de Maio de 2017. Categoria: Sem categoria

Reticências, exclamações e interrogações me interessam mais que um ponto final.
É um modo de não encerrar aquilo que um dia me fez feliz.
Manter os laços, as lembranças, os presentes e bilhetes. Ouvir as antigas músicas, sentir o cheiro e relembrar frases e fases.
Reticências me interessam mais do que um ponto final.
Não colocar ponto final não significa deixar a porta aberta para que tudo volte a acontecer. É apenas deixar as boas lembranças irem e voltarem de vez em quando, e ter a sensação de que o fim não precisa trazer o esquecimento.
Não pontuar com um “acabou” as histórias que vivi, é poder reviver sozinha tudo o que um dia eu vivi com alguém.
Não colocar ponto final é ter espaço para perdão, para conversa e para renegociar as dívidas do passado. Desde que isso nos interesse.

 

erro de pontuação, casa verde, erro de projeto, projetando a entrada da casa

Afinal, para que servem as reticências, senão para deixar as coisas prosseguirem de onde você parou. Ou não. Reticências me interessam porque não explicam, não encerram e não definem. As reticências me deixam entender tudo, do jeito que eu quiser. Eu decido a sequência depois dos três pontinhos.
Exclamações me interessam mais que ponto final. Exclamações me interessam como me interessa saber como está a vida, como estão os planos, como está o sorriso torto e tão delicioso, e quantas vezes ele vem naquela boca quando lembra de mim. Exclamações marcam as frases onde exclamo de saudade, de vontade, de ânsia! As exclamações fazem um ponto final parecer pura bobagem.
E eu paro e penso: Porque não ponto final? Porque o ponto final não agrada, não entende e não perdoa. O ponto final não me dá as respostas de que preciso. O ponto final não me consola, não me deixa imaginar. E quando eu me interrogo, por que não ponto final, a resposta vem baixinho, quase inaudível: porque reticências, exclamações e interrogações me interessam mais.
Onde as pessoas veem um ponto final, eu vejo apenas reticências.
Não é para voltar para a mesma história. É só pra poder contar sobre ela com orgulho.

---